domingo, 22 de agosto de 2010

mais uma canção

sou surda aos vibratos e nada entendo de escalas. em música sinto apenas e hoje sinto tanto a falta da tua voz, das cordas do teu violão, do teu sotaque temperando aquele verso. um pedido de casamento, uma jura de amor todas as manhãs e eu vou dormir antes que acredite. mas, enquanto teu coração não bate uma canção nova aqui bem ao meu lado, ouvirei qualquer voz pra lembrar da tua cantando assim, e eu te diria assim se você caísse de para-quedas em minha casa:

coração de eterno flerte
adoro vêr-te.


~

sábado, 21 de agosto de 2010

certa manhã acordei de sonhos intranquilos

eu escreveria um livro, se já não houvesse tantos, e o ponta-pé inicial seria a frase com que dou nome a este texto, se já não a tivessem usado. agora é manhã - ou quase - e eu ainda não dormi, eu tenho caçado a tranquilidade e a maciez de uma noite serena desde que você se foi e deixou como herança a cama vazia e uma insônia inquisidora. tá, você nem sequer foi, covarde e indecente. a mim faltaram a coragem de te pedir que fique, mas que fique mesmo, ou a decência de te mandar à merda! agora, enfim, é manhã e eu dormi a tarde inteira. acordei porque sonhei contigo, porque o sol se punha em minha janela e brincava de fornalha em minha cama ou porque já passava da hora de me entregar a única coisa que permanece à disposição de minhas vontades: os três livros de política sobre a mesa. tateei as folhas velhas, espirrei feito louca e, enquanto consultava o Aurélio, qualquer coisa na novela que minha assistia fez com que eu me perdesse em questões. quando eu sonho contigo, você sente? quando você atravessa a porta e divide comigo o meu travesseiro, é encontro astral ou só o meu inconsciente te querendo aqui? quando eu toco sua pele suave e explicitamente, é você quem se arrepia ou é a projeção que ficou do que já não há? houve?

de noite na cama, eu fico pensando
se você me ama e quanto.
se você me ama, eu fico pensando
de noite na cama e quando?

de dia eu faço graça pra não dar bandeira'

~

terça-feira, 17 de agosto de 2010

quando aconteceu?

não sei. quando foi que eu deixei de te amar? quando a luz do poste não acendeu, quando a sorte não mais pode ganhar? não, não foi ontem que eu disse 'não', mas quem vai dizer 'tchau'? a gente não percebe o amor que se perde aos poucos sem virar carinho. guardar, lá dentro, o amor não impede que ele empedre mesmo crendo-se infinito. tornar o amor real é expulsá-lo de você pra que ele possa ser de alguém. somos - se pudermos ser ainda. fomos donos do que hoje não há mais, houve o que houve e o que escondem em vão, os pensamentos que preferem calar. senão irá nos ferir um 'não', mas quem vai dizer 'tchau'?

se aconteceu? não sei.


Lilith

Minha foto
25 anos de sol em leão. queria voltar ao tempo em que era cool escrever letra de música no perfil / cozinha, escreve, pratica boxe e é jornalista nas horas vagas / acha que "transtornada" é um nome muito bacana para quem tem TDAH, eu tenho.